Contrato de Vesting: Tudo que Você Precisa Saber sobre o Tema!
21 de março de 2019

Os serviços financeiros estão passando por uma reviravolta liderada por startups focadas em tecnologia.

 

Imagine um mundo em que você não precisa ir à agência bancária resolver absolutamente nada: é tudo pelo celular. Precisou de um empréstimo? Em vez da burocracia e dos juros altíssimos, é possível conseguir dinheiro a taxas mais baixas e com mais eficiência, também pela internet. E, se você quiser, pode ainda aumentar seu limite do cartão de crédito com um clique, sem conversar com ninguém – Ah! E sem taxa de anuidade.

Imaginou? Pois saiba que essa forma de lidar com o dinheiro – mais rápida, mais transparente e mais barata – já existe e está cada vez mais popular. As mudanças no setor vêm ocorrendo graças às fintechsstartups que abusam da tecnologia no setor financeiro e representam um desafio e tanto para os bancos.

Como sabemos, no Brasil o sistema bancário é bastante concentrado nas mãos de um pequeno número de bancos, sendo terreno fértil para o aparecimento de iniciativas no setor financeiro que visam combater o status quo. Com grande demanda por seus serviços e tendo também espaço para crescimento, as fintechs têm intensificado a competição local, criado novos produtos, desafiado o nível de digitalização dos grandes bancos e desenvolvido novos modelos de negócios.

As fintechs têm crescido cada vez mais, tanto no Brasil quanto fora do país. E isso acontece devido à grande demanda na busca por serviços financeiros mais práticos e descomplicados. Por isso, essas empresas têm buscado criar produtos inovadores que estão desafiando as instituições financeiras tradicionais.

Outra vantagem das fintechs é que elas vêm ajudando na educação financeira das pessoas que utilizam essas plataformas. Isso porque essas empresas estão aprimorando os sistemas de pagamentos e até mesmo os investimentos na Bolsa de Valores. Conheça as 10 melhores fintechs brasileiras.

 

Separamos 3 Fintechs brasileiras que entregam muito mais do que prometem:

 

Neon: inovou as tecnologias bancárias

Uma das pioneiras nas inovações tecnológicas bancárias, a Neon foi a primeira empresa de serviços financeiros da América Latina a oferecer transferências bancárias via Siri.

É uma fintech especializada em abertura e movimentação de contas-correntes digitais e emissão de cartões de débito, crédito e pré-pago através de um app. Junto à bandeira de cartões Visa, lançou um serviço de identificação via selfie para autenticação de compras via internet, nos casos necessários de uma segunda verificação de segurança.

Nubank: revolucionou o setor de serviços financeiros

Criada em 2013, a Nubank é uma startup pioneira no segmento de serviços financeiros, atuando como operadora de cartões de crédito e banco digital que oferece serviços bancários sem qualquer tarifa ou anuidade, revolucionando e incomodando os gigantes do setor.

Em 2018, atingiu o status de startup unicórnio ao atingir avaliação de preço de mercado no valor de 1 bilhão de dólares, sendo a terceira empresa brasileira com esta marca até então. Além disso, entrou no ranking mundial das 100 fintechs mais inovadoras de 2018.

 

Nexoos: focada em empréstimos peer to peer

Fundada há menos de 3 anos por dois amigos que se conheceram estudando o mercado de fintechs durante um Mestrado em Londres, a Nexoos trouxe para o Brasil o modelo de empréstimos “peer to peer”, que propõe facilitar e baratear o acesso ao crédito para pequenas e médias empresas.

O negócio da Nexoos é conectar, por meio de uma plataforma, empresas que precisam de financiamento a pessoas que dispõe de liquidez e buscam melhores retornos para seus investimentos, beneficiando todos os envolvidos no processo.

Em pouco mais de 2 anos no mercado brasileiro, já intermediou mais de R$80 milhões em financiamento para as empresas que participam da comunidade, que hoje soma mais de 50.000 empresas e 15.000 investidores. A meta da empresa é chegar a R$1 bilhão em volume negociado até o fim de 2019.

O que achou? Esta animado para criar sua própria fintech?

 

Confira 10 passos importantes para estruturar e lançar sua Fintech:

A maioria das pessoas tem uma ideia e interesse em empreender. “Transformar a minha ideia em um negócio de sucesso” é um pensamento constante de muitos jovens e profissionais de mercado. Mas por onde começar?

1. Oportunidade e não por necessidade. Empreender é um desafio, mas aqueles que gostam de fazê-lo são geralmente apaixonados pelo que fazem. O lançamento da startup deve ser por uma oportunidade de mercado e não por uma necessidade pessoal como “se recolocar no mercado” pelo fato de estar desempregado ou uma alternativa para sair de um emprego improdutivo e sofrível. Quando for começar qualquer negócio, se atente a estar fazendo isto por uma oportunidade e não simplesmente porque você acha que precisa.

2. Valores e não simplesmente dinheiro. Certamente todo negócio visa lucro e geração de riqueza. Assim, considerando que a sua ideia é passível de monetização, verifique se aquilo que você irá fazer representa os seus valores de vida e seus sonhos. Muitas pessoas empreendem em busca de dinheiro para ter mais tempo livre, porém na prática não é assim. Frases como “quero fazer o meu horário de trabalho”, “quero viajar todos os meses para o exterior” e “quero ter flexibilidade de horário” são um engano.

3. Entendimento e regulatório. Conheça a si mesmo e na mesma proporção o negócio que você está a empreender. Conheça o mercado, seus possíveis clientes, parceiros, fornecedores e concorrentes. Se tem dúvidas do funcionamento de seu mercado, então é preferível se aprofundar e se especializar antes de tomar a decisão de lançar o seu negócio. Conhecer as leis e regras do mercado é essencial. Se a sua ideia envolve serviços financeiros ou outros regulados, é fundamental saber o que pode ser feito e quais riscos você pode e está disposto a correr.

4. Prototipe e valide a ideia. A prototipação e a validação da ideia é um passo fundamental do negócio. Faça o desenho de seu produto. Mostre para os seus amigos e familiares. Valide a sua ideia. Melhore a sua ideia. Apresente-a para possíveis compradores. Peça um feedback honesto sobre o que você está propondo. Permita que as pessoas critiquem. O brasileiro geralmente não gosta de criticar, talvez seja importante expressar claramente “Não fique constrangido. Eu estou aqui, realmente para validar se isto faz sentido ou não. Me dê seu honesto feedback”.

5. Pessoas. Embora seja possível uma startup de apenas uma pessoa (você), em geral as startups têm um time maior. Profissionais de marketing, gestão, talentos humanos, tecnologia, finanças e vendas. Como você pretende estruturar o seu time? Pretende ter sócios no início do empreendimento? Precisa ter sócios para ajudá-lo financeiramente? Defina claramente o tamanho do time, sua capacidade financeira e capacidade de gestão de pessoas. As pessoas certas em seu negócio farão toda a diferença. As pessoas erradas provocarão o seu fracasso. Valorize os seus talentos.

6. Mercado e Modelos de Negócio. Evite focar o seu produto em um mercado pequeno ou grande demais. Equilíbrio é sempre a melhor escolha. O ideal para mim é ter um produto que funcione em um mercado maior, porém que possa ser lançado em um nicho controlável. Imagine um app de taxi. Ao invés de começar em todo o país, os empreendedores sensatos geralmente começam em uma única cidade e depois expandem a atuação. Conheça muito bem o seu mercado. Ele existe ou é um novo mercado que será criado? Tenha ainda um modelo de negócio ou no máximo dois para iniciar.

7. Tenha um objetivo e uma boa estratégia. Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve. Defina claramente o objetivo de seu negócio e a sua estratégia. Preocupe-se em selecionar indicadores e metas que atestem que seu alvo foi alcançado. Seja modesto na quantidade de KPIs (indicadores chaves), e esbanje no volume de métricas, elas serão o suporte para os seus indicadores.

8. Parceiros de mercado. Recentemente escrevi um artigo sobre a importância do desenvolvimento de parcerias e canais, pois afinal “Ninguém faz mais negócio sozinho”. Estabeleça parcerias e alianças. Gerencie os relacionamentos de maneira a gerar ganho mútuo para as partes. Uma parceria é realmente funcional quando todas as partes saem ganhando, inclusive o cliente. O mundo se conectou. Conecte-se ao máximo de pessoas e organizações que possam gerar frutos em conjunto com você.

9. Parceiro tecnológico. A tecnologia é parte fundamental de qualquer empresa, porém para as startups e fintechs a tecnologia é imprescindível e permeia toda a estrutura. Como a escolha do parceiro tecnológico acontece no início do projeto, isto pode implicar riscos de médio e longo prazo não mapeados. Procure um parceiro de tecnologia que consiga te atender no início, porém que consiga caminhar com você durante o desenvolvimento de sua startup.

10. Trabalho. Se você chegou até a este passo com conforto é porque você tem condições favoráveis para empreender. Se prepare para muito trabalho, pelo menos até colocar o “avião” em velocidade de cruzeiro.

 

Quer empreender do jeito certo? Baixe grátis nosso E-book Empreenda com Sucesso e descubra dicas valiosas para criar a empresa dos seus sonhos.

Comentários

Tiago Rodrigues
Tiago Rodrigues
Tiago Rodrigues é CEO da EconoInvest, especialista em Desenvolvimento Pessoal, Novos Negócios e Investimentos. Administrador, Pós Graduando em Finanças Corporativas & Investment Banking pela FIA - Fundação Instituto de Administração, Especialista em Empreendedorismo pelo INSPER, Professional Coach pela SBCoaching, Especialista em Novos Negócios pela Fundação Getúlio Vargas e pelo SEBRAE SP.

Os comentários estão encerrados.

Baixe agora Ebook Baixe agora Ebook Baixe agora Ebook Baixe agora Ebook